Box-Kids-Club-Clube-de-Assinatura-de-Criatividade-e-Leitura-Paternidade-Perfeita

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

COMO SE TORNOU TABU DIZER AO SEU FILHO ‘BOM TRABALHO’?

Elogiar o esforço das crianças, não o resultado ou a capacidade delas, tornou-se uma nova tendência na relação dos pais.

Quando os pais de hoje eram crianças, certamente ouviam bastante a expressão “Bom trabalho”. Tirou boas notas? “Bom trabalho!” Arrumou seu quarto “Bom trabalho!”

Em contraste, a frase “Valeu o esforço” era reservada para… coisas menores. Você falhou, mas… você se esforçou muito. Isso é um bom esforço, mas não um bom trabalho.

O mundo do elogio infantil, no entanto, mudou drasticamente. Dizer “Bom Trabalho ” se aproximou do status de tabu . As contas de mídia social de especialistas em paternidade estão repletas de conselhos para evitar esse tipo de elogio, em todas as suas formas – nada de “Incrível!” ou “Você é tão inteligente.” Em vez disso, somos encorajados a aplaudir o esforço, não a conquista: “É ótimo saber que você trabalhou duro nisso”. Muitas vezes, os pais são informados de que é melhor não dizer nada.

Esse conselho é bem-intencionado, mas pode se tornar mais uma maneira de os pais sentirem que estão falhando. Também pode ser paralisante.

Box-Kids-Club-Clube-de-Assinatura-de-Criatividade-e-Leitura-Paternidade-Perfeita
ELOGIO PELA INTELIGÊNCIA PODE MINAR A MOTIVAÇÃO E O DESEMPENHO DAS CRIANÇAS

A razão para a mudança de elogios é, mais ou menos, baseada em dados. Talvez o artigo mais famoso e amplamente citado seja “Elogio pela inteligência pode minar a motivação e o desempenho das crianças”, publicado no Journal of Personality and Social Psychology em 1998. Neste artigo, Carol Dweck e Claudia Mueller relatam os resultados de uma série de experimentos com alunos da quinta série em que os alunos tentaram várias tarefas e foram elogiados por sua inteligência ou por seu esforço. Em geral, eles descobriram que aqueles que foram elogiados por seu esforço estavam mais interessados ​​em buscar problemas mais difíceis e mais propensos a sentir que poderiam melhorar.

Com base nesta e em pesquisas relacionadas, Dweck apresentou ao mundo a ideia da “mentalidade de crescimento”. É mais amplo do que este elemento, mas um aspecto chave é a ideia de focar nos esforços das crianças, ao invés de suas habilidades.

Esta pesquisa é interessante e convincente. É um forte argumento para incentivar uma mentalidade de crescimento na escola e ajudar as crianças a ver o valor da perseverança. O que não faz – pelo menos não diretamente – é sugerir que você nunca deve dizer ao seu filho “Bom trabalho!” Esse salto – de uma pesquisa interessante para uma polêmica parental –  é um salto que o Complexo da Alienação Parental deu por conta própria.

Box-Kids-Club-Clube-de-Assinatura-de-Criatividade-e-Leitura-Paternidade-Perfeita
O CULTO DA MATERNIDADE E PATERNIDADE PERFEITA

A indústria de livros para pais é conhecida como Complexo da Alienação Parental. Porque, na verdade, eles fazem você pensar que se você comprar o livro e seguir as recomendações a vida de seu filho será melhor, e que seu trabalho como pai será mais fácil, e que todos em sua família serão magicamente felizes. E se você não fizer isso, a vida de seu filho será arruinada, você terá dificuldades para ser pai e todos em sua família serão infelizes.

A indústria de livros para pais é conhecida como Complexo Industrial Parental. Porque, na verdade, eles fazem você pensar que se você comprar o livro e seguir as recomendações a vida de seu filho será melhor, e que seu trabalho como pai será mais fácil, e que todos em sua família serão magicamente felizes. E se você não fizer isso, a vida de seu filho será arruinada, você terá dificuldades para ser pai e todos em sua família serão infelizes.

O chamado Complexo da Alienação Parental tem um longo histórico desse tipo de reação exagerada. Pense no conselho de conversar com seu bebê o tempo todo. Ela decorre em grande parte do trabalho de dois acadêmicos em meados da década de 1990. Eles trabalharam com 72 famílias no Estados Unidos da América em todo o espectro de renda e descobriram que o número de palavras que as crianças ouviam aos 3 anos de idade diferiam amplamente – talvez 30 milhões de palavras – em todo o espectro socioeconômico. Eles e outros argumentaram que essa exposição à linguagem era fundamental para o desenvolvimento acadêmico e social.

Essas são descobertas extremamente interessantes e podem sugerir caminhos para que possamos entender por que desigualdade surgem, mesmo cedo na vida. Obviamente, é extremamente difícil separar correlação de causalidade aqui – existem outras diferenças entre as famílias – mas essa evidência certamente sugere que conversar regularmente com nossos filhos é importante. O que esta pesquisa não diz é que você deve narrar cada troca de fralda. E definitivamente não diz que pais mais quietos estão fazendo algo errado.

Box-Kids-Club-Clube-de-Assinatura-de-Criatividade-e-Leitura-Paternidade-Perfeita
QUANDO DADOS SÃO ÚTEIS E QUANDO ‘NÃO TANTO’

Há situações em que bons dados são tremendamente valiosos. Um exemplo é a introdução precoce de alérgenos. Na última década, novas pesquisas sobre a melhor forma de reduzir as alergias deixaram claro que a introdução de alérgenos comuns – amendoim, ovos, laticínios – em idades muito jovens reduz drasticamente o risco de desenvolvimento de alergias. Expor as crianças a produtos de amendoim aos 4 a 6 meses, em vez de esperar até 12 meses, reduz o risco de desenvolver uma alergia ao amendoim em talvez 70%.

Este é um exemplo onde os efeitos são importantes, convincentes e grandes. Mas há muitos lugares onde os dados são apenas menos úteis. Eles são sugestivos, mas não conclusivos. Ou o impacto é minúsculo. O tamanho do possível benefício para o seu filho de narrar as trocas de fraldas é muito pequeno.

Apesar disso, muitos conselhos para pais baseados em dados não conseguem diferenciar entre coisas que poderiam fazer uma grande diferença e coisas que deveriam ser determinadas por nossas preferências, nossas restrições e se realmente queremos discutir cocô com nosso bebê. O resultado é que os pais se sentem pressionados a fazer coisas que nunca poderiam ter mais do que um benefício extremamente pequeno.

Às vezes, nosso desejo de usar os dados – de usá-los em excesso, na verdade – é confrontado ainda mais com a realidade de que os dados podem estar simplesmente errados. Você se lembra do estudo que sugeriu que ouvir Mozart ajudou os alunos a terem um melhor desempenho nos testes? Quantas pessoas tocaram música clássica até o útero ou compraram vídeos de Baby Mozart? Quantos pais tocaram Bach no carro quando prefeririam ter os Beatles?

Mesmo que as descobertas tenham sido replicadas, essa foi uma reação exagerada. E, no final, o estudo não resistiu. Acontece que a música pode melhorar um pouco os resultados dos testes – talvez porque relaxe os alunos antes de um teste – mas não importa se é clássico ou não.

Então, às vezes interpretamos demais os dados. E daí? Eles se tornam maiores é quando começamos a desconfiar de nós mesmos, quando conselhos baseados em dados geram ansiedade. Todos nós queremos ser bons pais e não queremos atrapalhar nossos filhos. “Seguir os dados” parece estender uma mão tranquilizadora. Mas à medida que os pais ouvem mais o que fazer e o que não fazer, há mais pressão, mais maneiras de falhar.

Os pais não precisam de mais maneiras de se sentirem fracassados. Às vezes, só precisamos ouvir “Bom Trabalho”.

Então, é realmente muito importante valorizar qualquer esforço da criança, promover a imaginação, a confiança criativa, mas não significa que não podemos parabenizar por resultados alcançados, de dizer um simples ‘Bom Trabalho”.

DESPLUGAR A CRIANÇA E DESPROGRAMAR MÃES E PAIS

A proposta do Box Kids Club é ‘desplugar’ a criança do excesso de contato com TV, Tablets e Celulares para poder Criar e Desenvolver a Confiança Criativa, com liberdade e imaginação.

Talvez seja a hora dos pais se ´desprogramarem’ de certas regras da Maternidade e Paternidade Perfeita para poder explorar livremente dados sobre a educação das crianças e mesclar com suas próprias observações e experiências para ter sua própria Confiança Maternal e Paternal.

Esta publicação foi inspirada no Artigo de Emily Oster para o site da Bloomberg em 2 de maio de 2022 e complementada com discussões da nossa equipe de curadores sobre o Culto da Maternidade e Paternidade Perfeita.

Blog-Box-Kids-Club-Clube-de-Assinatura-de-Criatividade-e-Leitura-Juntos-01 Blog-Box-Kids-Club-Clube-de-Assinatura-de-Criatividade-e-Leitura-Juntos-02 Blog-Box-Kids-Club-Clube-de-Assinatura-de-Criatividade-e-Leitura-Juntos-03

Blog-Box-Kids-Club-Clube-de-Assinatura-de-Criatividade-e-Leitura-Produtos

Blog-Box-Kids-Club-Clube-de-Assinatura-de-Criatividade-e-Leitura-STEAM-2022

Box Kids Club Clube de Assinatura Pequeno-Grande

Leia mais:

LIDANDO COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

O INCRÍVEL PODER DAS PERGUNTAS

REDAÇÃO BOX KIDS CLUB
REDAÇÃO BOX KIDS CLUB
REDAÇÃO BOX KIDS CLUB
REDAÇÃO BOX KIDS CLUB
5/5

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

RECEBA CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Siga-nos:

BRUNA RICHTER

Psicóloga graduada pelo IBMR e Bióloga graduada pela Universidade
Federal do Rio de Janeiro. Possui pós-graduação em Psicologia Positiva e Psicologia Clínica, ambas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Também é formada em Artes Cênicas pelo SATED do Rio Janeiro, o que a ajudou a desenvolver o Grupo Grão, projeto voluntário que atende pessoas socialmente vulneráveis, onde através de eventos lúdicos, busca-se a livre expressão de sentimentos por meio da arte.